Quanto economizar para comprar um imóvel?

  • outubro 27, 2019
  • 4 min read
  • 513 lê

O sonho de comprar a casa própria pode parecer distante, mas com um planejamento financeiro é possível economizar para comprar um imóvel. Há diversas opções no mercado imobiliário para financiamentos, o que torna as taxas de juros mais baixas para o consumidor. Entretanto, é um passo importante juntar dinheiro antes de solicitar um financiamento de imóvel.

Nesse artigo vamos te oferecer dicas para que você descubra o quanto você precisa economizar para comprar um imóvel. Esse valor depende de variáveis como, por exemplo, a sua renda mensal, o valor do imóvel, o quanto o financiamento vai cobrir.

1. Defina o valor do imóvel que quer comprar

O primeiro passo para alcançarmos qualquer meta é traçarmos um objetivo. Logo, aqueles que desejam conquistar o imóvel próprio devem estipular um valor médio que possuam condições de financiar. Os valores dos imóveis mudam de acordo com a economia, oferta/procura de consumidores e o padrão de vida do local em que ele se encontra.

Faça uma pesquisa do valor médio dos imóveis na localidade e condições que você está interessado. Por exemplo, um apartamento com dois quartos é mais caro do que um quitinete. Assim como, uma casa em um bairro considerado de classe média alta, vai ser mais oneroso que uma casa em um bairro de classe média baixa.

Após ter uma noção da média cobrada pelo mercado imobiliário do tipo de imóvel que você deseja, defina a metade de juntar entre 20% a 30% do valor do imóvel.

2. Mantenha o pagamento de suas contas em dia

Antes de uma instituição financeira liberar um financiamento de imóvel, ela faz uma análise de crédito do perfil do cliente. Essa análise feita pela instituição financeira é uma forma de verificar o risco do cliente não cumprir com as obrigações do contrato de empréstimo. A instituição financeira busca diminuir as chances de liberar empréstimo para quem não possua condições de honrar com os pagamentos, ou que possua um histórico de inadimplência.

Na análise de crédito, o banco vai levar em conta a sua renda mensal, seu perfil de crédito, possíveis restrições ao crédito, e seus dados cadastrais. O chamado “Score de crédito” é uma pontuação variável que reflete o relacionamento financeiro entre o cliente e o mercado. Isto significa, por exemplo, que um cliente que costuma pagar os seus boletos antes da data do vencimento tem um score maior do que um cliente que frequentemente paga suas dívidas atrasados.

  • Faça esforço em manter o pagamento de suas dívidas em dia, assim você garante ser aceito em financiamento, bem como ser oferecido taxa de juros mais baixas pelos bancos.

3. Estipule qual é o valor da sua renda mensal

A maioria dos brasileiros não são acostumados a terem um controle do seu orçamento financeiro, o que reflete nos altos índices de endividamento no Brasil. Há uma lógica simples que é deixada de lado muitas vezes: não há como retirar mais do que tem. Ou seja, não há como você pagar as suas dívidas se elas são maiores do que a sua renda mensal.

A renda mensal deve ser calculada com a soma de todos os seus rendimentos mensais. Você deve incluir o valor do seu salário mensal, rendimento com aluguel, investimentos, benefícios governamentais e qualquer outro tipo de renda extra que você faça de modo contínuo.

Vale ressaltar que não podemos confundir a salário mensal bruto e o salário mensal líquido. Faça o cálculo da sua renda mensal focando no valor líquido, ou seja, aquele rendimento que efetivamente você recebe com os descontos de impostos de renda, INSS, convênio médico, etc.

4. Fique atento as despesas da mudança

Apesar de no primeiro momento apenas nos preocuparmos com o valor do imóvel que desejamos comprar, há outras despesas imediatas que devemos  levar em consideração também. Ao fazer uma mudança de casa, você terá que levar trazer os seus pertences até o mesmo imóvel. Nesses casos, você pode avaliar o quanto vai gastar com o transporte de seus pertences.

Nem sempre o que nós já temos é o suficiente para nos acomodar em nossa casa, ou talvez já precisamos de novos imóveis para o novo lar. Eletrodomésticos, imóveis, planos de internet e telefone, utensílios domésticos somados podem exigir um investimento de dinheiro maior. É recomendável fazer uma lista de quais objetos serão necessários imediatamente e quais você pode comprar em um futuro mediato.

5. Localização e custo de vida

Não basta considerar o valor do imóvel antes de comprar a sua casa, você precisa fazer uma pesquisa do custo de vida do local. Para ter uma noção do custo de vida, você deve somar a quantia em dinheiro que você vai gastar para consumir produtos e serviços essenciais. É necessário levar em consideração os gastos com combustível, aluguel, transporte, educação, comida, itens de higiene e limpeza, entre outros.

Cada cidade tem um custo de vida diferente, e você deve escolher uma que se adapte ao seu bolso e comodidade. Analisar a localização do seu imóvel e a distância para o seu trabalho, supermercado, hospitais, escolas vai te proporcionar uma perspectiva melhor. Por conta disso, é que o imóvel ideal é algo que deve ser definido de modo pessoal, levando em consideração o orçamento e cotidiano do comprador.

 

Autor Mariana Braga Dias

Uma advogada que se interessou pelo mundo das finanças e decidiu ajudar as pessoas a organizarem as suas vidas financeiras.

Compartilhe em
513 lê
Última atualização: maio 31, 2020

Explore nossas seções